expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Páginas

Imagine com Liam Payne Secrets - parte dois.


Você sabe. Sempre soube, na verdade, que eu poderia ouvir a sua voz todos os dias sem enjoar. Que eu acordaria sorrindo por ver você dormindo desengonçadamente ao meu lado. Que eu seria aquela que te esperaria com o jantar pronto, tiraria seu jaleco, e te deixaria descansar. Eu obrigaria você a assistir Titanic comigo todos os fins de semana, eu confiaria, perdoaria, seria menos, seria mais, o que precisasse para me adaptar à você. Você sabe. Eu sou tímida, sistemática, não gosto de assumir riscos, não me entrego facilmente. Mas se me entrego é de corpo e alma, sinto por completo. Sou feita de sentimentos, e pra casos como esse uma brisa vira um furacão e toda a dor do mundo; companhia. Gosto da solidão, preciso dela pra viver, pra ser eu, porque no fim, quando tudo está acabado, é ela quem sobra. E minha única alternativa é ser dela.
Mas por você...
Ah, por você eu a espantaria, diria para voltar mais tarde, ou talvez nem voltar. Eu tentaria chorar menos com filmes românticos e parar pra prestar atenção no meu próprio romance. Um “bom dia, amor” deixaria qualquer segunda-feira com cara de sábado. Faria os dias parecem mais lentos, e dia por dia, viveríamos.
Mas você se foi.
E tudo o que sobrou fui eu,
E a solidão.


Abri meus olhos devagar, passando uma calma que eu não tinha. Havia uma senhora à minha frente, contando-me o quão frustrante não poder ver seus filhos todos os dias. Para o nosso azar eu não conseguia dar nenhum conselho coerente, ou prestar atenção em suas palavras por muito tempo. A consulta não demorou muito tempo, e logo vi-me livre dela.
Eu evitei andar pelo hospital durante todo o dia desde que descobri que meu ex namorado – e pai da minha filha – estava trabalhando no mesmo lugar que eu. Ainda era informação demais para a minha cabeça. Havia chance de ser qualquer outro membro da família Payne, não havia?
Lea bateu minha porta assim que a Senhora Morgan saiu, sussurrando algo para minha secretária.
- Segundo ela, você deveria tomar um chazinho, pois seu humor está horrível. – comentou. – Tem alguma coisa acontecendo?
- Não, está tudo bem. – Respondi. – Quem eu devo atender agora?
- Ah. – Pigarreou. – Pois bem, houve uma pequena alteração na sua agenda, o doutor Storm pediu para que você acompanhasse uma visita à um paciente. Em breve ele fará uma cirurgia para amputar a perna após o acidente que sofreu, e querem ter certeza que ele está psicologicamente preparado para esta nova fase.
- Uma visita?
- Sim, os cirurgiões estarão com ele e acompanharão sua avaliação. Isso faz parte do período da sua própria avaliação aqui dentro.
- Então eu não posso faltar, não é?
- Ah não ser que queira ser demitida no seu primeiro mês...
- Tudo bem, já estou indo. – Sorri e me levantei, pegando uma prancheta com uma caneta e indo em direção ao quarto 367. – Eu devo consultar o rapaz na frente dos médicos? – Sussurrei entre dentes para Lea.
- Exatamente.
- E se ele não quiser?
- Faça ele querer. – Lea me empurrou em direção à porta do quarto, fazendo-me entrar, completamente sem graça, após pedir licença.
Eu estava com o rosto baixo, mas ouvi a voz do doutor Storm pedindo-me para me aproximar do jovem garoto que estava deitado na maca. Haviam outros médicos no quarto, mas eu não me importei em olha-los, ou cumprimenta-los. Apenas comecei a fazer meu trabalho, tentando ser o mais simpática e confiável possível com Sam, o paciente.
- Como foi sua semana, Sam?
- Eu já tive melhores, doutora...?
- (S-N). – Sorri. – Quer me contar o que está passando em sua cabeça agora? – Sentei-me em uma poltrona.
- Estou tentando não pensar muito nisso. Mas estou com medo e relutante. – Ele olhou para um ponto fixo na parede, visivelmente triste. – Eu não quero passar por isso.
- Ninguém gostaria, Sam. Se pudéssemos escolher as coisas seriam mais fáceis. Você sempre vai ter duas escolhas, querido. Mas você precisa ter consciência que ne sempre a mais fácil é a melhor.
- E quais são as minha escolhas agora, doutora?
- Você pode encarar isso de cabeça erguida, com pensamentos positivos e energia renovada, ou pode fugir, não aceitar a própria vida. É uma escolha inteiramente sua. Mas não é só em você que deve pensar. Pense na sua família, e na dor que eles passarão em te ver mal. – Ele me olhou. – Você pode pegar todos esses problemas e fazer deles um empurrão, pegar a sua negatividade e transformar em inspiração. Mas só você pode fazer isso, ninguém mais.
- Ela está certa. – Ouvi uma voz grossa, do outro lado da cama, só então parando para olhar quem era o dono. Apertei a mão de Sam no exato momento em que meus olhos cruzaram-se com as íris castanhas que eu costumava conhecer. Liam estava com as sobrancelhas arqueadas, claramente lembrado de quem eu era, como se me desafiasse a lembrar dele também. – Sempre há duas escolhas, Sam. Você pode mentir pra si mesmo, e para todos. Ou pode aceitar a verdade, e deixar que as coisas sejam mais fáceis por si mesmas.
Me perguntei se ele ainda se dirigia à Sam, e desesperei-me com a possibilidade de que suas palavras não eram para ele. Ele se lembrava exatamente de mim. Olhei para o doutor Storm que sorria orgulhoso de seu médico, e sua mais nova psicóloga. Sam balançou minha mão, chamando minha atenção para o fato de que eu ainda a apertava. Desculpei-me com um sorriso.
- Eu... Eu não sei o que dizer, ou o que aceitar. Eu preciso de um tempo sozinho. – Pediu, e nós obedecemos prontamente. Storm me pediu para que conversasse com os pais de Sam assim que eles viessem.
- Doutora (S-S) – Chamou Storm. – Fez um bom trabalho lá dentro.
- Obrigada.
- Bem vinda à nossa equipe. – Cumprimentou-me. – Tire o resto do dia de folga. – Agradeci-o novamente, quase beijando seus pés por me dar as merecidas folgas, e me efetivar naquele momento.
Percebi o olhar de Liam sobre mim até que eu sumisse do corredor e soltasse o ar que nem eu mesma havia percebido que havia prendido.
- Olha só... – Daniel apareceu no meu consultório. – Mal chegou e já está conquistando o chefinho.
- Esqueceu de bater, Daniel.
- Você esqueceu que eu não preciso bater.
- De qualquer forma, não podemos conversar agora, estou indo pra casa.
- Por que a grosseria? Te fiz algo? – Perguntou-me sério e um tanto desesperado. Olhei-o, abrindo um sorriso em seguida.
- Não, me desculpe. Só estou com pressa. – Passei ao seu lado, dando-lhe um beijo estalado no rosto, que foi muito bem recebido.
- Te levaria para casa, se estivesse no meu horário de almoço.
- Não se preocupe.
- É claro que me preocupo. – Sorri. – Bem, mande um beijo para Cath.
- Mandarei.


Voltei pra casa, deixando toda a falsa calma que eu havia passado no hospital de lado. Eu estava desesperada. Nunca fora minha intenção deixar que Liam soubesse que trabalhávamos no mesmo local. Não achei que fosse esbarrar com ele tão cedo, quando nem eu mesmo havia superado nosso reencontro.
Cath ainda estava na escola então, portanto passei o dia todo sozinha, assistindo à romances sozinha. Acabei dormindo na metade de P.S eu te amo, mas fui acordada pelo meu celular tocando insistentemente no balcão da cozinha.
“Alguma coisa pra fazer amanhã, doutora?”
“Daniel, eu estava no meio do meu sono. Não, não tenho nada, por quê?”
A resposta veio minutos depois.
“Eu estava pensando em irmos ao cinema, quer dizer... Se você quiser, é claro”.
Sorri sozinha com o pequeno desespero dele ao final da frase. Por mais garanhão que fosse, Daniel poderia ser bem sem jeito as vezes.
“Desculpe, não posso deixar Cath sozinha!”
“E quem foi que disse que ela está de fora do programa?!”
“Ah, bem, eu pensei... Você sabe. Enfim, se ela puder ir, eu aceito.”
“É claro que ela pode ir, afinal, eu não vou conseguir conquistar a mãe sem antes conquistar a filha, não é?”
Sorri de lado, mordendo o lábio completamente sem graça, mesmo que ninguém pudesse me ver naquele momento. O despertador, no entanto, me chamou atenção para o horário de buscar Catherine no colégio.
“Eu adoraria conversar mais. Mas devo buscar Catherine agora!”
“Tudo bem, posso te ligar mais tarde?”
“Sim, tenho que ir. Até mais.”
Não esperei por uma resposta pois: 1) Eu estava indo buscar Cath. 2) Eu ainda estava estranhamente incomodada com o aparecimento de Liam.
Catherine sempre reclamava sobre como precisávamos de um carro melhor “como o de Danny”. Há dias ela não parava de falar nele, e em como ele era simpático e muito legal.
- Eu adoraria ter ele como padrasto. – Sussurrou, mexendo em seu tablete.
- Cath! – Repreendi.
- Vai dizer que você não gosta dele?
- Não desse jeito. E nós não vamos falar sobre a minha intimidade!
- Negar é o primeiro sinal de amor. – Murmurou, fazendo-me revirar os olhos e sentir-me envergonhada ao mesmo tempo.
O dia passou rápido, ao chegarmos em casa, Cath correu para o banho e teve algum tempo para se divertir no computador e ler um livro. Depois a ajudei com a lição de casa. Assistimos um filme enquanto jantávamos, depois levei-a até o seu quarto. Cobri-a, dando-lhe um beijo na testa.
- O que acha de irmos ao cinema com Danny amanhã? – Perguntei, sentando na beirada da sua cama.
- O que vamos assistir? – Sorriu, atraindo de mim o mesmo.
- Depois vemos isso! – Beijei-lhe mais uma vez, me retirando do quarto. Antes que fechasse a porta, ouvi:
- Mãe? Pense no que eu falei, tá?
Sorri sem graça, assentindo. Me dirigi para o meu próprio quarto, estava deitada lendo um exemplar de Harry Potter que Cath havia me emprestado quando meu celular vibrou em cima da minha barriga.
- Você disse que eu poderia ligar. – Danny disse com uma voz lenta.
- É, eu disse. – Ri. – Como foi o resto do dia de trabalho?
- Irritantemente estressante, por sua causa tive que atender a Sra. Carlton, que pra sua informação é uma solteirona de 65 anos que, por sinal, adorava um jovem.
- Minha causa?
- Ela seria passada pra você!
- Oh, sinto muito.
-Tudo bem, eu já desconfiava que as velhas solteiras também gostavam do meu charme. – Rimos.
- Você está falando tão devagar! Está com sono?
- Um pouco...
- Quer ir dormir?
- Na verdade não. E você?
- Na verdade sim.
- Não é que eu queira... Mas enfim, vou deixar você descansar. Nos vemos amanhã? Fiquei sabendo que vai ter uma sessão de “A culpa é das estrelas”. – Ri alto.
- Você quer ir assistir esse filme?
- Eu pensei que você e Cath gostariam de um romance.
- Catherine sim, já eu...
- Eu não acho que veremos alguma coisa do filme... – Sussurrou. – Posso passar pra te pegar?
- Eu posso ir sozinha Danny. – Revirei os olhos.
- Tudo bem, te vejo às seis no shopping, o.k?
- O.k. – Ri.


Na manhã de sábado Cath acordou extremamente animada por não ter que ir pra escola. Saímos para tomar o café da manhã em uma padaria na nossa rua mesmo. Ela estava feliz por poder passar o sábado inteiro comigo e com Daniel.
Como marcado, as seis nós duas andávamos pelas lojas do shopping em direção ao cinema. Danny estava parando olhando os cartazes dos filmes, com uma calça escura e um tanto apertada (reparei devido ao seu bumbum volumoso no jeans) uma camisa que marcava seu peitoral definido. Catherine puxou-me pela mão até ele, que sem vergonha alguma, abaixou-se para abraça-la com a mesma vontade que ela o fez. Também puxou-me para um abraço que pareceu durar uma eternidade. Não que eu reclamasse ou algo do tipo. Na verdade, seu cheiro e sua pele quente eram bem confortáveis.
- Nós vamos assistir “A culpa é das estrelas”? – Exclamou Cath enquanto entravamos na fila da pipoca.
- Vai dizer que você não gosta?
- Eu amo. – Disse alto, me fazendo arregalar os olhos. – O Gus é tão fofo... Toda garota deveria ter um daqueles.
Daniel riu alto, me puxando pela cintura para mais perto do seu corpo o que me deixou completamente corada. Cath tagarelava o tempo inteiro, e eu me impressionava como Danny conseguia prestar atenção em tudo. Depois de comprarmos pipocas e refrigerantes, nós fomos até a sala do cinema que já estava bem cheia.
Nunca me senti confortável em locais lotados, e ali, por algum motivo eu me sentia sendo completamente observada. Tentei ignorar e prestar atenção na mão de Danny que ainda estava em minha cintura, mantendo-me perto o tempo todo. Sentamo-nos exatamente no meio da sala de cinema. O filme não demorou para começar. Demorou menos ainda para que Cath estivesse completamente calada e com os olhos cheios de lágrimas.
Não me leve a mal, mas romances adolescentes não são pra mim, o livro é ótimo, pra quem acredita em amores assim! Deitei minha cabeça na poltrona olhando para o filme, mas não prestando atenção, Daniel puxou-me para encostar o rosto em seu ombro, e apesar de envergonhada, eu o fiz.
- Não está gostando do filme? – eu dei um risinho, olhando para Catherine ao lado dele, que estava completamente concentrada.
- Bem, se ela gosta, eu gosto. – Eu sussurrei.
- Claro... Claro.
- Porque não está prestando atenção?
- Porque eu prefiro prestar atenção nas coisas que você está me causando agora. – Ele disse sério.
- Que coisas?
- Você não percebeu? – Virou-se para mim, tomando o cuidado para que Cath não percebesse. Apenas neguei com o rosto. – Ah (S-N) ... Eu estou tentando chamar a sua atenção há dias, só você que não percebe. Por que acha que estamos aqui? Porque eu me preocupo, porque gosto de você, gosto da Cath e realmente quero que você abra os olhos pro que acontece. Eu fico arrepiado quando você se aproxima, eu gosto da sua risada, do seu perfume, da sua voz. E eu sei que isso parece intenso demais pro pouco que nos conhecemos, e é por isso que eu estou insistindo tanto, porque não pode ser qualquer coisa.
Eu estava completamente sem palavras, seus sussurros entraram em minha cabeça me deixando completamente confusa, Danny estava se declarando para mim?
- E-eu não sei o que te dizer...
- Não precisará dizer nada se me deixar te beijar agora. – Abriu um sorriso de lado.
- Cath está aqui.
- Ela não vai ver, eu prometo.
- Danny... – Eu disse, completamente manhosa, vendo-o se controlar para não rir. Mordi meu lábio inferior, vendo que seus olhos se abaixaram para acompanhar meu movimento. Sua mão quente foi para a minha nuca me puxando devagar até que seus lábios carnudos estivessem sobre os meus, em um selinho calmo e carinhoso. Daniel passou sua língua pelo meu lábio inferior, deixando-o molhado. Suspirei, abrindo minha boca e deixando que sua língua aprofundasse o beijo. Levei minha mão até o seu peito, explorei-o por um segundo, afastando-o em seguida.


O domingo passou voando. Cath estava silenciosa demais, e eu sabia que ela estava se segurando para não comentar sobre o meu beijo em Daniel. Coloquei-a para dormir às dez horas e fui para o meu próprio quarto, já que no dia seguinte teria que trabalhar cedo, mas antes que pudesse dormir meu celular vibrou, avisando-me uma mensagem.
“Namoro entre funcionários é proibido doutora. Não quer perder o emprego, quer?”
Sentei-me imediatamente na cama, pensando que talvez pudesse ser uma brincadeira de Daniel, mas não era o seu número.
“Quem é?” – Respondi.
“Isso não importa... O que importa aqui é o casal. Cuidado quando for sair em público com ele, como eu disse, você pode ser denunciada ao seu chefe. Aliás, bela garotinha. Não sabiam que tinham uma filha.”
“Se você não disser quem é, eu vou chamar a polícia.”
“Boa sorte, e cuidado, doutora.”
Não dormi a noite inteira, levando em consideração quem poderia ter sido. Se fosse uma brincadeira de Danny ele já teria assumido. Ele sabe que sou desesperada e controladora, não estenderia isso. Na segunda, após deixar Cath na escola fui direto para o hospital.
O doutor Storm parecia-me mais estressado que o normal naquele dia. Olhou-me enquanto eu caminhava em direção ao meu consultório. Entrei sentindo meu corpo se relaxar enquanto eu soltava a respiração.
Talvez fosse paranoia minha, mas o dia todo pareciam me perseguir. Danny estava três vezes mais no meu pé, o que era irritante naquele momento. Não o contei sobre as mensagens, ou sobre Lea me avisando que o Doutor Storm queria conversar a sós comigo.
- Você está livre agora? – Daniel entrou no meu consultório.
- Bata na porta Daniel, bata. – Murmurei irritada.
- Porque você está me evitando?
- Não estou te evitando Danny.
- Está sim, e você está toda nervosa e soando frio... Parece até que aconteceu alguma coisa, ou você simplesmente não gostou do meu beijo.
- Danny para de tentar me analisar! – Exclamei um tom mais alto que o normal. – Eu não sou sua paciente, e você não sabe nada sobre mim.
- Uou, se acalma, eu só estou tentando te ajudar.
- Ninguém pode me ajudar.
- Por que não?
- Daniel eu não vou te dizer, você não sabe nada sobre mim. Por que está aqui? Por que insiste em sair comigo? – Olhei-o, que estava completamente confuso.
- Porque eu gosto de você! – Exclamou, já irritado também.
- Você nem me conhece, não pode gostar de mim.
- Você tá me escondendo alguma coisa? – Respirei fundo, de costas para ele enquanto analisava a estante cheia de livros atrás de mim. – Você é casada não é? A Cath tem um pai e você está com ele. – Revirei os olhos, sabendo que a mente ciumenta dele inventaria algo daquele tipo.
- Eu não sou casada.
- Então o que você me esconde? – Levantou-se, irritado e falando alto. Temi que os pacientes lá fora ouvissem.
- A CATH É FILHA DO LIAM PAYNE. – Murmurei alto, me arrependendo em seguida, olhando-o com a expressão apavorada enquanto ele apenas se sentava na cadeira do meu consultório. Ouvi a porta ser batida, como se alguém tivesse acabado de entrar.
Ou sair...
Desesperada fui em direção à porta e a abri, não havia ninguém ao redor. Respirei fundo, e voltei para onde Daniel estava.
- O que você disse? – Perguntou-me.

Expliquei toda a história para Daniel, sabendo que mentir não adiantaria de nada. Ele foi compreensivo, mesmo que eu tivesse percebido que ali não estava o meu amigo, ele estava agindo como se eu fosse sua paciente. Pediu-me um tempo para pensar e saiu do meu consultório.
Tomei quase quatro copos de água antes de encarar a reunião particular com o meu chefe potencialmente nervoso naquele dia.
- Bom, na verdade eu não tenho muito a dizer. Mas eu quero mostrar uma coisa. – Disse-me, passando uma pasta em mãos.
- O que é isso?
- Leia, doutora.  – Arrepiei-me ao ouvir a última palavra e lembrar das mensagens da noite anterior. Percebi minhas mãos trêmulas, e meu suor frio escorrendo por elas.
Para o meu alívio tratava-se de um documento em que Sam concordava em fazer a cirurgia, trabalho meu, segundo Storm.
- Parabéns doutora.
Agradeci-lhe, saindo de seu consultório e indo direto para o banheiro de funcionários. Precisava urgentemente jogar uma água fria no meu rosto. Entrei no local extremamente branco, indo até uma das cabines. Assim que abri a porta, senti meu corpo ser empurra com violência contra a parede da cabine. Minha primeira reação foi fechar meus olhos e tentar gritar, mas um braço apertava minha garganta, e uma mão tampava a minha boca.
- Olhe para mim. – Uma voz grossa sussurrou entredentes. Mesmo com medo, abri meus olhos, arregalando-os ao ver Liam furioso à minha frente. – Pense duas vezes antes de gritar, doutora, não é bom ser vista com um médico dentro de uma cabine do banheiro. – Assenti, boba e amedrontada, o que o fez tirar a mão da minha boca e afrouxar o braço em meu pescoço.
- O que está fazendo? – Perguntei trêmula.
- Que história é essa de dizer que eu sou pai da sua filha?
Minhas pernas bambearam e se Liam não me segurasse eu já teria ido ao chão.
- E-eu não sei do que...
- Eu ouvi você dizendo (S-N). Que porra é essa?
- Liam... – Levei minha mão até o braço que me apertava. – Está me sufocando.
- Você merece.
- Liam, por favor... – Eu realmente estava começando a me sentir sem ar, meus olhos estavam brilhando com lágrimas. Eu podia quase ver o fogo em suas íris. – Está me machucando.
- Me responde (S-N)!
- Ela é sua filha... Eu juro. – Fechei os olhos, tentando respirar, sentindo uma lágrima descer. – Quando você se foi... – tossi. – Eu estava grávida.
Ele arregalou os olhos, soltando-me. Cai sentada no chão, respirando com dificuldade. Liam se afastou, me vendo chorar completamente desesperada.
- Isso não pode ser verdade...
- Eu disse que tinha algo para te contar, mas você estava feliz e não me deixou falar... Eu... – Ele parou por alguns segundo, com as mãos nos fios de cabelo, parecendo se lembrar.
- Você escondeu isso de mim esse tempo todo?
- E o que você faria se .... – Ele levantou-me do chão, me deixando completamente amedrontada, colocou-me sentada em cima da pia. Não era difícil já que ele tinha três vezes o meu peso e tamanho.
- E porque eu deveria acreditar em você?
- Você acredita no que quiser Liam... – Ele socou o granito da pia, fazendo com que eu me encolhesse.
- Porque você não me contou, porra? – Gritou, alterado novamente. Senti o medo ceder lugar à raiva. Ele estava sendo tão hipócrita, nada mudaria, ele teria me abandonado do mesmo jeito, com filha ou não.
- Porque você não faria nada a respeito... Você fugiria como o covarde que você sempre foi! – Exclamei em seu tom, ouvindo-o dar uma risada irônica e virar-se de costas para mim, provavelmente porque se me olhasse me bateria ali mesmo.
- O que você esperava? Que eu estragasse o meu futuro brilhando por causa da porra de um erro?
Arregalei os olhos no mesmo instante. Mesmo que Liam estivesse completamente mudado, eu jamais esperava que ele acharia que Catherine fora um erro. Ele pareceu, por um momento, perceber o que havia dito, levou suas mãos até o cabelo e virou-se para mim com os olhos arregalados, visivelmente arrependido.
- O único erro, Liam, é você achar que nós precisamos de você.
Disse entredentes, nervosa e triste, não sei ao certo. Desci da pia, indo em direção à porta do banheiro. Ouvi-o me chamar, mas não dei a mínima atenção. Não importava mais.
Catherine e eu não precisávamos de alguém que não precisasse de nós.

 Continua...

Contatos:

Data de atualização, spoilers, opiniões etc? Aqui

Nota da autora: Não estou muito satisfeita com a atualização, mas me digam se gostaram ou não, esse foi o máximo que eu consegui com o bloqueio,e enfim. Espero que gostem. So much love <3

34 comentários

  1. To começando a ficar com rqiva de vc Jamille, pq sempre tem q acabar na parte mais legal?? Continua logo pff
    Gih xx

    ResponderExcluir
  2. Continua por favor, está maravilhoso ....eu não esperavá isso do liam.

    ResponderExcluir
  3. Vei como vc consegue fazer? isso tipo como consegue ser tão perfeita?
    Como vc consegue escrever tão bem?
    Vei continua pfv estou super curiosa

    ResponderExcluir
  4. Garota vc tem que começar a acreditar no que a gente te diz! Tudo o que você posta é insanamente ótimo pq vc tem muitoo talento! Sério! Como assim não está satisfeita?!? Seu talento é incrível e já li todo o seu blog (mesmo) e hj ele é um dos dois únicos sites que eu ainda visito regularmente de imagines! Bom anyway eu amei esse capítulo e isso foi perfeito "o único erro, Liam, é você achar que nós precisamos de você" D E M A I S !! Continuaaa logo pleasee se não eu vou ter um heart attack hahaha bjss love u ♡
    Isa xx

    ResponderExcluir
  5. Cara, você sempre para na melhor parte, continua logo porquê tá perfeito <3

    ResponderExcluir
  6. não esta satisfeita? Como não? Esse capitulo ta demais... e o Liam pegou muito pesado!
    continua...
    xx

    ResponderExcluir
  7. Continua pelo amor de deus

    ResponderExcluir
  8. Como você não está satisfeita? Eu to satisfeita e muito e necessito da continuação logo.
    Ps: seu bloqueio criativo é melhor do que minha criatividade toda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc falou t u d o : "seu bloqueio criativo é melhor do que minha criatividade toda" demais!
      Isa xx

      Excluir
  9. Eu sei como é difícil escrever, mas por favor, coloca qualquer merda que faça sentido aê e eu fico mais do que satisfeita
    Ps: Amo vc

    ResponderExcluir
  10. Chorei, chorei, chorei e chorei... Assim como ta, ta simplesmente perfeito. Mais uma vez você conseguiu causar "arrepios" em mim. Não importa o tempo q vc vai demorar para continuar, vou esperar pq sei que vai ser ótimo.
    xx

    ResponderExcluir
  11. Continua sua linda e perfeita escritora.
    Aaaaah
    To viciada.
    Por: Gisele M.

    ResponderExcluir
  12. Continua *uuuuuuuuuuuu* ta muito perfeito. Tive vontade de bater no Liam!!!!!! Meu Deus, ele acha que tem direito de fazer isso com ela!!!!!!! 'o' continua logo, por favooor *u*

    ResponderExcluir
  13. Adorei, vc tem que continua...
    Ta bom d+. Acho que tem que tem que ter contato do Liam com a Cath.
    Pra tipo ele se apaixona por ela. ( Jã penso se ela fala - se pra ele que queria o Danny como pai )

    ResponderExcluir
  14. Continua , ta mais do que perfeito!!! Como voce pode para na melhor parte !?!? -Leti

    ResponderExcluir
  15. Pelo amor de deus continuaaaaaa!!!!!! sei q é dificil a inspiraçao vir mas vc escreve tao bem muito bem msm sei q vc vai conseguir escrever mais capítulos lindos e perfeitos. espero q vc escreva um livro futuramente pq né?!
    #Vick

    ResponderExcluir
  16. PERFEITOOOO! CONTINUAA! Me asseite no grupo por favor Larissa Rosa

    ResponderExcluir
  17. Nossa Adorando locamente esse imagine ..anciosa esperando o proximo :)

    ResponderExcluir
  18. Oh josh continua *--------------------------------------------------------------------------------------------------*

    ResponderExcluir
  19. per-fect eu preciso de contunuação

    ResponderExcluir
  20. VC e amelhor de todas, obrigada! Amo todo oque VC escreve

    ResponderExcluir
  21. UAU!Cara, nunca li um imagine tão perfeito na minha vida, esse é tipo o melhor imagine que eu já li, é tão perfeito, e eu n acredito que vc escreveu tudo isso com bloqueio, mds '0', pq ficou tão perfeito, eu tipo to in love com esse imagine <3
    VC ESCREVE MUITO BEM!Tipo MUITO!!!Parabéns e continua logo pf, eu to morrendo de curiosidade, tipo muito mesmo então posta logo o próximo!

    ResponderExcluir
  22. CONTINUA A DO ZAYN O NERD PFVR TA MT PFT CONTINUA A DELE

    ResponderExcluir
  23. um dos melhores imagines do mundo , precisa continuar !

    ResponderExcluir
  24. Meu Deus como é perfeita, eu não consegueria escrever assim, to sofrendo pelo próximo!
    Agora sei como minhas leitoras se sentem !

    ResponderExcluir
  25. Continua mulierrrrr

    ResponderExcluir
  26. Vc tem que continuar pfff continua!!!
    Ta mt perfeito *O*

    ResponderExcluir