expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Páginas

Imagine com Liam Payne - Secrets




Pedido por anônimo. 

12 de Janeiro 2006, Londres.
As mãos estavam suando, o coração acelerava conforme o cenho dela se franzia mais. Os olhos curiosos e atentos da garota examinavam toda e qualquer expressão que Liam fazia. Ela havia dito que tinha algo para contar, mas ele a interrompeu dizendo que sua notícia era urgente.
- Eu fui aceito em Cambridge, medicina. – Ele disse rápido, sentindo o corpo estremecer. Assistindo as expressões dela passar de curiosidade até surpresa.
- Por que não me contou antes? – Liam jamais pudera entender o tom de sua voz, ou o que ele representava. Os olhos dela estavam vazios tais como sua expressão.
- Eu não queria te deixar magoada ou com raiva de mim... Esse é o meu sonho e eu não posso deixar ele passar assim. – Ele encarou a rua escura à sua frente. – Eu não queria ter que deixar tudo isso aqui, mas esse tipo de coisa só acontece uma vez na vida e... E não vai acontecer de novo pra mim. – Ele a olhou com um sorriso largo, que se desfez ao ver os olhos cheios de lágrimas dela.
- Como você pode pensar que eu não estaria orgulhosa?
Ele nada disse ou fez além de sorrir pequeno com o biquinho choroso que se formou na boca dela, selou seus lábios, sabendo que dentre muitos, aquele beijo ficaria na memória. Não pelo amor que envolvia os dois, ou pela emoção da notícia que (S-N) ainda não havia dado. Marcaria, porque aquela era a despedida que ninguém jamais oficializou.
Liam se sentia realizado: a garota que amava estava em seus braços, e seu futuro estava garantido. (S-N), no entanto, sentia um forte dor no peito, não física, mas emocional. Como poderia contar à Liam? Estragar toda a felicidade dele por um motivo egoísta dela?
- Porque você tá chorando? – Ele perguntou, olhando-a sorrindo. – Você deveria estar feliz por mim!
- Eu... Eu estou. – Ela sorriu.
- O que você tinha pra me contar?
O coração dela acelerou instantaneamente, ela não poderia dizer. Não agora.
Apenas negou com o rosto, assistindo o sorriso dele aparecer novamente e esmagar toda e qualquer perspectiva que ela tinha ali.
Ficaram algumas horas juntos, Liam insistiu mais algumas vezes para saber o que ela tinha pra lhe dizer, mas ela negou todas, até ele entrar em um Taxi, e ela tirar da bolsinha marrom o teste que mostrava o seu futuro.
“Nós vamos ter um bebê, Liam”. Ela sussurrou, vendo o taxi se afastar.
24 de Março de 2014.
A pequena apartamento estava lotado de caixas e objetos empacotados, (S-N) recebera a proposta de trabalhar em um hospital como psicóloga, atendendo pacientes e parentes.
- Mamãe? – Catherine chamou. – O que é isso?
O olhar de (S-N) acompanhou o dedo da pequena Cath, até uma caixa branca com colagens em preto e desenhos de caneta.
- Nada! – Ela se desesperou ao ver Cath abrir a caixa, dando de cara com diversas coisas que lembravam a adolescência de (S-N), incluindo posters da Britney Spears e Justin Timberlake.
Mas não foram os pôsters de Boybands e cantoras do pop que chamaram atenção de Cath, foi uma foto com escritos atrás.
- Quem é ele?
(S-N) sentiu o estômago revirar, sentou-se ao lado da filha, fazendo-a sentar-se ao seu colo. Ver uma foto de Liam depois de tanto tempo ainda a deixava confusa. Por que se afastaram? O que aconteceu entre os dois se não amor?
- Ele é... Só um amigo de infância. – Ela sorriu, olhando para a filha que os dois deveriam ter criado. – Só um amigo. – sussurrou. Levantou Cath antes que ela perguntasse mais alguma coisa, organizou a caixa, levando-a até onde seria seu quarto dali em diante.


- Pronta pro novo emprego? – Perguntou Lea, sorrindo.
- Estou nervosa, quer dizer, eu nunca trabalhei em um hospital antes...
- Não se preocupe, é só fazer o que você sempre fez.
- Eu sempre lidei com adolescentes e suas complicações. – Ela sorriu.
- Não vai ser difícil, seu currículo é ótimo, uma psicóloga formada em Oxford não pode ser qualquer uma. – Lea piscou. – Vamos te mostrarei a sua sala.
As duas andaram por um extenso corredor branco, até a penúltima porta, que trazia uma placa com o nome de (S-N).
O consultório era encantador, com a decoração completamente diferente da que ela imaginava. Poderia facilmente se sentir em casa ali.
- Bom, é isso. – Lea sorriu. – Temos muitos pacientes, então você tem um colega e profissão, talvez no horário do almoço vocês se conheçam, bom, qualquer coisa eu estarei na sala à frente, é só me chamar.
- Eu preciso me acostumar com essa coisa de ter uma secretária. – (S-N) sorriu vendo Lea revirar os olhos e rir.
- Me considere como seu braço direito. – Piscou saindo da sala.
O primeiro período do trabalho foi consideravelmente cansativo, no hospital havia mais pacientes que em um consultório particular, não estava acostumada a lidar com uma agenda que calculava até quanto tempo ela tinha para ligar para Cath.
Agradeceu por encontrar uma escola no período integral para a filha.

- Hey mulheres da minha vida! – (S-N) despertou com a voz grossa e com o corpo forte que sentou à sua frente.
- Daniel, ele é o psicólogo da sala ao lado. – Sussurrou Lea. – Metade do corpo trabalhador feminino desse hospital quer ir pra cama com ele.
- Lea. – (S-N) falou mais alto, repreendendo a nova colega e atraindo a atenção de Daniel para si.
- Olha só, me falaram sobre você! É a minha concorrente, não?
- Ahm... Eu sou. – Ela sorriu, sentindo o corpo esquentar conforme o sorriso dele aumentava.
- Já se acostumou com a rotina daqui?
- É meio complicado...
- Sim, é mesmo. Aposto que o mais difícil é lidar com a Lea. – Ele riu, vendo Lea jogar um pãozinho nele.
- Mas quantos anos vocês tem? – Resmungou Noah, segurando o riso em seguida.
- Não se preocupe (S-N), nós somos a parte mais legal do hospital. – Apontou para as secretárias e enfermeiras que estavam na mesa. Você só não pode se juntar com aquele pessoal ali. – Daniel mexeu o rosto, apontado para uma mesa lotada de médicos. – Eles se acham melhores porque cursaram medicina. – Revirou os olhos.
- Daniel tem uma rixa com ELE. – Lea apontou para um homem alto, de costas largas. O rosto dele estava virado para o outro lado, mas de longe (S-N) podia sentir o ar de ignorância que ele exalava. O homem se sentou, ainda de costas, na mesa que antes Daniel havia apontado.
- Uma rixa? – (S-N) perguntou olhando para Daniel.
- Não é uma rixa...
- É sim, eles sempre pegam as mesmas funcionárias. – Lea revirou os olhos.
- Mas normalmente elas preferem o Danny, porque ele é bem mais carismático. – Ela apertou a bochecha do loiro, que riu,
- Eu sou melhor no cama, isso sim. – Sussurrou ele para a amiga. (S-N) fez uma careta, mas riu, sentindo-se confortável na presença deles. Deixou seu guardanapo de lado, e subiu mais cedo para a ala dos consultórios.
Alguns costumes que (S-N) adquiriu assim que Cath nasceu nunca mudaram, como a sua preocupação com os sentimentos da filha. Ela ligou, portanto, para a garota no seu intervalo, a perguntando como estava sendo a nova escola. Recebendo uma resposta mais que positiva.

Os dias se passaram, (S-N) estava cada vez mais próxima de Danny. Cath estava se dando bem na escola e toda noite no jantar solitário das duas, ela contava como fora seu dia.
(S-N) estava levando alguns arquivos e fichas de pacientes para analisar em casa quando Danny bateu em sua porta.
- Lição de casa? – Perguntou, sentando-se no divã da sala.
- Um pouco. – Ela riu.
- Você está sem carro, não é? – Ela assentiu. – Posso te dar uma carona.
- Ah não... Tudo bem eu ainda tenho que buscar minha filha.
- Você tem uma filha? – Os olhos dele se arregalaram quando ela confirmou. – Isso é inacreditável, eu nem sabia que você era casada.
- Mas eu não sou casada. – Ela fez uma careta, não querendo tocar no assunto.
- Oh sim. – Ele riu. – Com todo respeito, é mais inacreditável saber que você carregou um bebê e conseguiu ter um corpo desses.
(S-N) encarou Danny, sorrindo, revirou os olhos.
- Espero que saiba que “com todo respeito” não me conquista Danny. – Ela riu, colocando sua bolsa em seu ombro e passando pelo homem.
- Bom, de qualquer forma, podemos pegar a sua filha, e ainda por cima tomar um sorvete, o que acha? – (S-N) estava prestes a discordar e inventar qualquer desculpa quando ele a interrompeu com um sorriso: - Eu não aceito um não como resposta.
Os dois entraram no carro de Daniel, travando uma conversa sobre os CDS que ele guardava ali. Sentiam-se como dois adolescentes tendo um encontro. Sentimento que foi quebrado ao que o olhar de Daniel cruzou com o da pequena Cath.
(S-N) estava à frente da entrada da escola, trazendo sua filha para mais perto do carro, onde Danny estava encostado.
Custou para que (S-N) convencesse Cath de que tudo bem estar com Danny, e que ele era apenas um amigo. Com sorrisos encantadores, algumas piadas e muito sorvete com calda de chocolate, Danny conquistou Cath, que contou para os dois sobre o dia na escola, e sobre como frações era difícil.
(S-N) sorriu nervosa no caminho para casa, sabendo que Catherine a enxeria de perguntas sobre quem realmente era Danny.
Cath entrou primeiro na casa, correndo para o seu quarto enquanto (S-N) descia do carro. Danny desceu com ela, sorrindo tímido.
- Obrigada pela carona, e pelo sorvete. – Ela sorriu.
- Não se preocupe, (S-N). Se você precisar... Eu vou adorar sair mais vezes com você e com a Cath. – Ele disse, vendo-a entrar em casa, murmurando antes um “boa noite”.

Após o jantar, que (S-N) gastou convencendo Catherine de que não estava namorando com Danny, (S-N) criou coragem e retirou a caixa lotada de memórias.
Sentou-se na cama, abrindo a caixa e sentindo o cheiro de adolescência pairar pelo ar, sorriu melancólica, sentindo falta de uma época bem mais simples que aquela.
Pegou a mesma foto que Cath achara na mudança, apertando-a contra o peito, quantas saudades sentia de Liam, se perguntava até hoje quantas vezes e por quanto tempo seria capaz de se apaixonar novamente por ele.
Atrás da foto estavam desenhados alguns coraçõezinhos com frases românticas da época em que os dois eram cegos um pelo outro.
Depois que Liam foi para Cambridge os dois passaram a se comunicar por cartas, estas que jamais foram lidas por outras pessoas que não fossem eles. (S-N) guardou mesmo após a última carta pois aquilo, além de Cath, a fazia se sentir mais perto dele.
As cartas ainda estavam lá, organizadas por ordem de chegada. Na primeira Liam a contava como a faculdade era diferente, como se sentia bem, e como sentia falta dela.
As palavras, ao longo das cartas diminuíam gradativamente. Os ‘eu te amo’ soavam cada vez menos verdadeiros. Até a última carta. A mais dolorosa.

“ Querida (S-N)
É difícil admitir que as coisas mudaram. Que talvez agora você já não seja mais a minha garotinha obcecada por boybands, aquela que jura de pé junto que ainda vai me trocar pelo Justin.
Mas temos que admitir, (S-N), mudaram. Eu sinto sua falta e não dá mais pra fingir ser algo que já não somos. Eu queria realmente ter a oportunidade de consertar as coisas com você. Mas nem isso nós podemos mais.
Você sabe o que eu estou dizendo. Eu tenho olhado pra esse papel por dias, só para, no fundo, escrever, ‘acabou e eu sinto muito’.
Eu sinto muito, espero que tudo o que você sonhou se realize, talvez um dia a gente se esbarre.
 xX Liam”
Não percebeu quando suas lágrimas começaram a cair, o quão imaturo Liam foi ao terminar dessa forma? No facebook, algum tempo depois, fotos dele com outras garotas se tornaram comum. A ideia de uma traição jamais abandonou sua mente, e isso era o que mais a incomodava.
Ainda haviam cartas em que ela tentava contar à ele sobre o bebê que tiveram, mas nenhuma delas foi enviada. A carta final de Liam jamais foi respondida. Ele também não pareceu se importar: não ligou, não quis encontra-la quando ambos estavam de férias em Londres. Durante sete anos, ela jamais tivera notícia alguma do homem que mais amou em sua vida. Do pai da sua filha.

Mergulhada em lágrimas, ela se deitou cansada do dia que tivera, deixou que o sono aos poucos a tomasse.

Estavam sentados no refeitório do hospital, na mesa dos “funcionários legais” como dizia Danny, quando novamente o médico da rixa de Danny passou, derrubando o copinho de gelatina na calça de (S-N)
- Ai que droga! – Ela exclamou, pegando alguns guardanapos para se limpar, Daniel imediatamente fechou a cara, enquanto a ajudava.

- Claro que está tudo bem, Payne.


Continua... 

31 comentários

  1. Caramba, você para na melhor parte :( tá muito perfeito, você tem que continuar logo.

    ResponderExcluir
  2. Continua *-*

    Dani xx

    ResponderExcluir
  3. Continue, logo por favor.

    ResponderExcluir
  4. Quando você vai postar a próxima parte?

    ResponderExcluir
  5. Muito perfeito. Quando vai continua linda ?
    -Leti

    ResponderExcluir
  6. Oh God...
    Você precisa continuar!!!

    ResponderExcluir
  7. Continua Pfvr! Ta mt pft

    ResponderExcluir
  8. Omggg q pft continua! Pfvr


    ResponderExcluir
  9. continua, ta muito legal *_*
    não demore pf.
    Bjs e abraços.
    De: Gisele M.

    ResponderExcluir
  10. Continua, meu deus que perfeito!!! E posta logo a continuação de blue amor <3

    ResponderExcluir
  11. Morta aqui... Amo seus imagines... voce é muito diva

    ResponderExcluir
  12. OMG que perfeição continuaa logo please

    ResponderExcluir
  13. MDSSS :O continua PF quero saber o que vai acontecer :)

    ResponderExcluir
  14. Continua logo pf, eu sempre começo a ler seus imagines perfeitos ai começo a imaginar coisas e na melhkr parte vc vai la e coloca "continua" isso é sacanagem sabia? Vou começar a le-los só quando estiverem terminados....

    ResponderExcluir
  15. CONTINUAAAAAAAAAAAAAAA! NECESSITO!! <3333

    ResponderExcluir
  16. CONTINUAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA !!!!
    OMG *-------*

    ResponderExcluir
  17. CONTINUAAA *-------* pfffv continuuaaa rapido ^^

    ResponderExcluir
  18. Meu deus eu amo demais seus imagines *-----* por deus continua logo poooor faaaavooooor
    #Vick

    ResponderExcluir
  19. Continuaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa Por Favorrrrrrrrr tá tão PERFEITO ♡♡♡♡♡♡♡♡

    ResponderExcluir
  20. Você precisa continuaar! To curiosaaa! Kkkkk

    ResponderExcluir
  21. Cadê a continuação?. Eu necessito da continuação. Continuaaaaaa, please!

    ResponderExcluir
  22. Para quem está afim de postar coisas em blogs e tudo mais. Eu tenho um
    blog, e eu abro espaço para quem estiver afim de postar e tudo mais, claro
    que vamos conversar um pouco, mas se alguém estiver afim é só entrar em
    contato com este gmail aqui -> paradissejuvenil@gmail.com
    É só me mandar um gmail, e ai conversaremos lá, e resolvemos tudo certinho
    ^^ mt obg, bjão da Bina!! ♡

    ResponderExcluir